GEOPROCESSAMENTO|PROGRAMAÇÃO

Geoprocessamento I

Q

uando acompanhamos as ações dos grandes espiões de Hollywood, é comum nos depararmos com imagens incríveis de vigilância por satélite. A qualidade das imagens é realmente incrível. Mas até que ponto a precisão destas imagens é real e, por outro lado, é só isso que um satélite faz?
A verdade é que a capacidade dos “fotógrafos espaciais” vai muito além das imagens “reais” que as telinhas nos mostram. Longe das câmeras fotográficas, há centenas de satélites equipados com radares e sensores, diariamente emitindo e captando ondas de diferentes características. Os reflexos destas emissões são interpretados e “transformados” em diversos tipos de “imagens”.
Até então, esta atividade é, no mínimo, interessante, mas o que fazer com esses dados? É exatamente na análise dessas informações que a Dubbox Geo é especializada. Esta complexa tarefa é denominada Geoprocessamento e é capaz de gerar informações um “pouco” mais surpreendentes que o esconderijo de um espião.

Vista aérea gerada por satélite da NASA.

Antes de tudo, escolhe-se uma região a ser estudada. Feito isso, as imagens via satélite, correspondentes a esta área, são obtidas. Pronto? Não. Agora começa o trabalho de verdade: as informações das captações são filtradas de acordo com as frequências de onda dos emissões captadas. Em seguida, são reformuladas as imagens, com apenas espectros de interesse. O resultado disso, é uma nova visão dos mesmos pontos do globo. Entretanto, cada material da superfície terrestre é de uma determinada composição e, portanto, reflete as ondas espaciais de uma maneira particular. Com um pouco de processamento computacional, a Dubbox Geo entrega seu produto final: imagens contendo apenas a informação de interesse de seus clientes.

An? O que são informações de interesse? A capacidade deste processo é tanta, que a vastidão de resultados de interesse continua aumentando e, hoje, podemos citar algumas: imagens de leitos de rios e seus níveis (de 1, 5, 10, 20 e 40 anos), reconhecimento de construções em áreas devidas e indevidas, desmatamento, movimentação de nuvens e suas frentes climáticas e, com certas imagens especiais, até mesmo a progressão de uma safra agrícola.
Surpreso? Lembre-se: os tipos de resultados continuam aumentando…

(Fotos: www.pexels.com)

Bruno Tavares

Você pode gostar também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *